28 dezembro 2010

Plano de aula

por Marcos Tuler

Alguém já disse que “Prever é a melhor garantia para bem governar o curso futuro dos acontecimentos”; “O plano de ação é o instrumento mais eficaz para o sucesso de um empreendimento.” “Prever é agir”. É o primeiro passo obrigatório de toda ação construtiva e inteligente. Pelo planejamento, o homem evita ser vencido pelas circunstâncias, e aprende a aproveitar as novas oportunidades. O planejamento é imprescindível em qualquer atividade humana, especialmente no que diz respeito à educação. Nesta área, ele se concretiza num programa de ação que constitui um roteiro seguro para conduzir progressivamente os alunos aos resultados desejados. A responsabilidade do mestre é imensa. Grande parte da eficácia de seu ensino depende da organicidade, coerência e flexibilidade de seu planejamento.
PALAVRAS-CHAVE: PLANO, ORGANIZAÇÃO, COERÊNCIA
INTRODUÇÃO
“Os dois grandes males que debilitam o ensino e restringem seu rendimento são: a rotina, sem inspiração nem objetivo e a improvisação dispersiva, confusa e sem ordem. O melhor remédio contra esses dois grandes males é o planejamento”.
(Luiz Alves de Mattos)
Em relação ao ensino, planejar significa prever de modo inteligente e bem calculado todas as etapas do trabalho escolar e programar racionalmente todas as atividades, de modo seguro, econômico e eficiente. Em outras palavras, planejamento é a aplicação da investigação científica à realidade educacional a fim de melhorar a eficiência do trabalho de ensino.

I. CARACTERÍSTICAS DE UM BOM PLANEJAMENTO DE ENSINO
1. Unidade. No planejamento, é fundamental fazer convergir todas as atividades para a conquista dos objetivos visados; eles são a garantia de unidade da operação docente.
2. Continuidade. Sem planejar o professor corre o risco de perder o fio da meada , dispersando-se e valorizando pontos secundários em detrimento de pontos prioritários da matéria. O professor precisa prever todas as etapas do trabalho em pauta, desde a inicial até a final.
3. Flexibilidade. Se durante a execução do planejamento, o professor perceber a impossibilidade de cumpri-lo em razão de um imprevisto qualquer, poderá alterá-lo sem problema, desde que não se distancie dos principais objetivos. O plano, mesmo em marcha, pode ser modificado ou reajustado sem quebra de sua unidade e continuidade.
4. Objetividade e realismo. O plano deve ser objetivo e estar baseado nas condições reais e imediatas de local, tempo, recursos, capacidade e preparo de seus alunos. De que adianta planejar a utilização de recursos didáticos de alta tecnologia se na sua Escola Dominical não há possibilidade sequer de ter um quadro-de-giz? Se esse for o caso, o planejamento, baseado na irrealidade, só causará frustração.
5. Precisão e clareza. É preciso caprichar nos enunciados do planejamento. O estilo deve ser sóbrio, claro, preciso, com indicações bem exatas e sugestões bem concretas para o trabalho a ser realizado. Um planejamento com enunciados mal elaborados, poderá dificultar a tomada de decisão.

II. ETAPAS DO PLANEJAMENTO DE ENSINO
1. Conhecimento da realidade. Para planejar adequadamente a tarefa de ensino e atender às necessidades do aluno, é preciso, antes de mais nada, saber para quem se vai planejar. Por isso, conhecer o aluno e seu ambiente é a primeira etapa do processo de planejamento. É preciso saber quais são suas aspirações, frustrações, necessidades e possibilidades. Este trabalho é conhecido como sondagem, isto é, uma coleta de dados importantes para um perfeito diagnóstico. Uma vez realizada a sondagem e o diagnóstico, deve o professor estudar cuidadosamente todos as informações reunidas a fim de elaborar com segurança sua estratégia de trabalho.
Sem a sondagem e o diagnóstico corre-se o risco de propor o que é impossível, ou o que não interessa ou, ainda, o que já foi alcançado. Eis algumas perguntas úteis ao planejamento de um curso para novos convertidos: Onde você mora? Com quem vive? Como você se relaciona com a comunidade? Qual era a sua religião antes de aceitar a Cristo como Salvador? É a primeira vez que você se decide ao lado do Senhor? Você já foi membro de alguma igreja evangélica antes? Muitas outras informações poderão ainda ser coletadas: histórico familiar, nível sócio-econômico, cultura, valores étnicos, aptidões, necessidades pessoais, limitações físicas etc. Observe o esquema abaixo.

Sondagem + Dados coletados + Diagnóstico = Conhecimento da realidade = Estratégia de Trabalho

2. Elaboração do plano.
A partir dos dados fornecidos pela sondagem e interpretados pelo diagnóstico, temos condições de estabelecer o que é possível alcançar, como fazer para alcançar o que julgamos possível e como avaliar os resultados. O planejamento poderá ser elaborado a partir dos seguintes passos:
a) Determinação dos objetivos.
b) Seleção e organização dos conteúdos.
c) Seleção e organização dos procedimentos de ensino.
d) Seleção de recursos.
e) Seleção de procedimentos de avaliação.
f) Estruturação do plano de ensino.
3. Execução do plano.
Ao elaborarmos um planejamento, antecipamos, de forma organizada, todas as etapas do trabalho de ensino. A execução do plano consiste no desenvolvimento das atividades previstas. Na execução, sempre haverá o elemento não plenamente previsto. Às vezes, a reação dos alunos ou as circunstâncias do ambiente exigirão adaptações e alterações no plano. Isto é normal e não invalida o planejamento, pois, como já dissemos, uma das características de um bom planejamento é a flexibilidade.
4. Avaliação e aperfeiçoamento do plano.
Ao executar o que foi planejado, necessita o professor avaliar o próprio plano com vistas ao replanejamento. Nesta fase, a avaliação adquire um sentido diferente da verificação do ensino-aprendizagem e um significado mais amplo. Isso porque, além de medir os resultados do ensino-aprendizagem, procuramos avaliar a qualidade do nosso plano, nossa eficiência como professores e, a eficiência do currículo.
Há vários tipos de Planejamento: o educacional, mais amplo, faz parte das incumbências do Governo; o curricular é de responsabilidade das instituições de ensino; os de ensino, unidade e aula, são da alçada de cada professor. Para o fim que desejamos, abordaremos apenas, e de forma sucinta, o planejamento de aula.

III. COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA
1. O que é um plano de aula? O plano de aula é um instrumento de trabalho que especifica os comportamentos esperados do aluno, os conteúdos, os recursos didáticos e os procedimentos que serão utilizados para sua realização. O plano de aula busca sistematizar todas as atividades que se desenvolvem no período de tempo em que o professor e aluno interagem, numa dinâmica de ensino-aprendizagem.
2. A importância do plano de aula. É de estarrecer o que ouvimos nos “bastidores” da Educação Cristã quando o assunto é planejamento: “O que? Planejar aulas? Que nada! É só ler a lição e reproduzir o comentário com outras palavras.” Este é o retrato do famigerado e nocivo comodismo. Para alguns professores, o plano de aula consiste em observar três etapas: introdução, desenvolvimento e conclusão. Infelizmente, para outros, sequer isto tem importância. Como se costuma dizer, suas aulas são “sem pé nem cabeça”. Estes, quase sempre são surpreendidos com o aviso do superintendente às classes: “Faltam 5 minutos para o término da lição”. Só lhes resta queixarem-se com ar de grandeza: “agora que eu estava terminando a introdução!” Isto geralmente acontece em razão de muitos professores ignorarem a relevância e a finalidade do plano de aula. Um bom plano de aula promove a eficiência do ensino, economiza tempo e energia, contribui para a realização dos objetivos visados e, acima de tudo, evita a corroedora rotina e a improvisação.
3. Antes de planejar sua aula, o professor deve refletir sobre as seguintes questões:
a) O que pretendo alcançar? Quais são meus objetivos para esta aula específica? Que tipo de comportamento espero observar em meus alunos após esta aula? Será que após a aula terão eles capacidade para escrever, dissertar, responder, debater?
b) Como alcançar? Qual estratégia de trabalho usarei para alcançar meus objetivos? Quais os métodos mais apropriados?
c) Em quanto tempo? Em que prazo executarei as diversas fases do trabalho letivo? Quanto tempo gastarei na introdução da aula? E no desenvolvimento? E na conclusão?
d) O que fazer e como fazer? Qual a melhor maneira de introduzir esta aula? Como posso transmitir o conteúdo desta lição de maneira atraente e interessante? Que tipo de aplicação seria mais eficiente nesta aula? Como concluir essa lição eficazmente a ponto de suscitar no meu aluno o desejo de retornar à classe no Domingo seguinte? Quais procedimentos deverei usar?
Quais recursos deverei dispor?
e) Como avaliar o que foi alcançado? Quais instrumentos de avaliação utilizarei? Em que período do processo de ensino deverei avaliar? No início? No meio? No final? Ou em todos?
4. Após refletir sobre as questões acima, precisa o professor executar os seguintes passos:
a) Identificar o tema da aula. O primeiro passo é indicar o tema central da aula. Exemplo: Tema da aula: “A Biblioteca Divina” – Textos-chaves: Sl 119.103,105; 1 Pe 2.2.
b) Estabelecer os objetivos. Enfatizando o que dissemos anteriormente, ao planejar, o professor deve ter em mente os objetivos do seu trabalho, isto é, saber para que está planejando.
Exemplo: Ao final da aula o aluno será capaz de:
· Identificar as principais divisões da Bíblia.
· Distinguir os livros do Antigo e Novo Testamentos.
· Classificar os livros do Antigo e Novo Testamentos.
c) Indicar o conteúdo da matéria de ensino.
Indique os conteúdos que serão objeto de estudo. O que representa este conteúdo? A matéria de ensino basicamente envolve um conjunto estruturado de conhecimentos dispostos com o objetivo de dar ao aluno oportunidade de adquirir um cabedal de informações, e de saber usar funcionalmente o conhecimento desenvolvendo adequados modos de pensá-lo e de aplicá-lo em situações novas. Segundo o educador Horbert Wiener, não é a quantidade de informação emitida que é importante para a ação, “mas antes a qualidade e quantidade de informação capaz de penetrar o suficiente num dispositivo de armazenamento e comunicação, de modo a servir de gatilho para ação.”
Em relação ao ensino na Escola Dominical, os conteúdos didáticos são partes integrantes dos comentários das revistas de cada faixa etária.
omo o conteúdo deve ser apresentado no plano? O conteúdo deve ser apresentado em forma de esquemas que facilitem o seu desenvolvimento, pois o plano não deve ter textos extensos a serem lidos pelo professor durante a aula. O professor não deve contentar-se com os esquemas apresentados nas revistas-didáticas, mas, a partir deles, elaborar outro mais rico e mais completo, baseado em suas próprias pesquisas.
Os dados essenciais do conteúdo deverá ser distribuído no plano de forma ordenada, ressaltando sua concatenação e subordinação.
Na elaboração de um plano de aula deve o professor buscar a melhor maneira de comunicar o conhecimento ao aluno, pois o conteúdo da matéria de ensino e o processo de aprendizagem estão intimamente relacionados.
Exemplo de conteúdo de uma lição bíblica:
I. As divisões da Bíblia
1. Os dois Testamentos
2. Os livros divididos em seções
II. Os livros do Antigo Testamento
1. Como está dividido o Antigo Testamento
a) O Pentateuco
b) Livros históricos
c) Livros poéticos
d) Livros proféticos
III. Os livros do Novo Testamento
1. Como está dividido o Novo Testamento
a) Biografia
b) História
c) Doutrinas
d) Profecia
d) Estabelecer os procedimentos de ensino. É preciso estabelecer as formas de utilizar o conteúdo selecionado para atingir os objetivos propostos. Sua aula será somente expositiva ou você precisa utilizar outros métodos?
e) Escolher os recursos didáticos. De que forma seus alunos serão estimulados à aprendizagem? Utilizará recursos humanos ou materiais? Quais recursos dispõe sua Escola Dominical? Quadro-de-giz? Retroprojetor? Álbum seriado? Flanelógrafo? Gráficos? Mapas? Reálias? Em que momento da aula pretende utilizar cada recurso previsto?
f) Escolher o instrumento de avaliação. Finalmente, o planejamento da aula deve prever como será feita a avaliação. Não é conveniente propor ao aluno apenas questões que avaliem se ele memorizou ou não alguns conceitos ou definições. Por exemplo: “Quais são os livros históricos da Bíblia?” O ideal é que os alunos manifestem comportamentos que demonstrem claramente sua aprendizagem. Exemplo:
· Peça ao aluno para localizar em sua Bíblia um dos livros históricos.
· Relacione no quadro-de-giz vários livros da Bíblia e peça ao aluno que identifique os que pertencem ao Pentateuco.

CONCLUSÃO
Como podemos observar, ao elaborar o plano de aula, deverá o professor programar todas as suas atividades, isto é, ordená-las e dispô-las em fases sucessivas e bem calculadas.
O plano de aula racionaliza as atividades do professor e do aluno, possibilitando melhores resultados e maior produtividade do ensino.

_________________________________________________________________________________
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BORDENAVE, Juan Díaz & PEREIRA, Adair Martins, Estratégias de Ensino-Aprendizagem. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.
CARVALHO, Irene Mello, O Processo Didático. 1. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1972.
GANGEL, Kenneth O. 24 ideas para mejorar su enseñanza. 1.ed. México, Ediciones Américas, A.C., 1992.
GREGORY, John Milton, As Sete Leis do Ensino. 3. ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1977.
TULER, Marcos. Manual do Professor de Escola Dominical. 12. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
TURRA, Clódia Maria Godoy. Planejamento de Ensino e Avaliação. 9.ed. Porto Alegre: PUC, 1999.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Leia as regras:
Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto do post;
- Não inclua links desnecessários no conteúdo do seu comentário;
- Se quiser deixar sua URL, comente usando a opção OpenID;
- Ofensas pessoais, ameaças e xingamentos não são permitidos;


OBS: Os comentários dos leitores não refletem as opiniões do blog.