02 fevereiro 2010

A vida imita a arte ou mordendo a própria língua.

É impressionante como podemos traçar um paralelo entre a atual situação vivida pela igreja evangélica com a letra de algumas músicas ditas mundanas, demonizadas pelos crentes como de inspiração satânica, compostas por artistas notadamente ateus e engajados com as causas sociais como Chico Buarque de Hollanda, um dos mais renomados e idolatrados compositores da MPB; ou aqueles conhecidos pelo estilo de vida desregrado e contestador, como o que consagrou Janis Joplin uma das maiores cantoras de rhythm & blues da história, morta aos 27 anos e no auge da fama, fulminada por uma overdose de heroína.

Abaixo duas músicas famosas que retratam muito de perto estes dias angustiosos em que vivemos indignados na blogosfera sem nada poder fazer no mundo real, crendo que o Senhor Jesus virá buscar a Sua Igreja numa Van, de tão poucos que restarão.

Bem, vamos lá. A primeira é “Mercedes Benz”, imortalizada na voz rouca e debochada de Janis:


Senhor, por que você não
Me compra uma Mercedes Benz?
Meus amigos todos dirigem Porsches.
Eu preciso compensar.
Trabalhei duro a vida toda,
Sem ajuda dos meus amigos.
Então Senhor, por que você não
Me compra uma Mercedes Benz?


A outra é o samba “Partido Alto” do grande Chico Buarque:


Diz que deu, diz que Deus,
Diz que Deus dará,
Não vou duvidar, ô nega.
E se Deus não dá,
Como é que vai ficar, ô nega?
Diz que deu, diz que dá,
E se Deus negar, ô nega?
Eu vou me indignar e chega,
Deus dará, Deus dará.

Tristemente as letras destas músicas falam muito à consciência da igreja denominacional, desdenha de nós que combatemos tanto contra florestas petrificadas e tropeçamos em gravetos secos, sucumbindo ao mais completo materialismo e o que é pior, vestidos de uma santidade rota. Atacamos os ateus e viramos uns à-toas, criticando a falta de fé honesta alheia enquanto hipocritamente vive uma fé interesseira.

Seguimos os conselhos de nossos líderes certos de que fazíamos a coisa certa, nos ensinado a pedirmos Mercedes Benz, SUV's e outros mimos, ou nos indignarmos com Deus quando Ele resolve reter o cheque ao portador com os rendimentos da oferta de campanha, ou por nos dar asas de pardais quando desejamos voar como águias até o Everest ou K2 e de lá contemplarmos todos os reinos do mundo e a glória deles. Infelizmente, as vezes vejo mais mensagens nas entrelinhas de músicas seculares do que nos mantras gospel.

Encerro com o trechinho de outra música do Chico.
Mas para meu desencanto
O que era doce acabou
Tudo tomou seu lugar
Depois que a banda passou.


Autor: Antonio Fernandes

Contatos: antoniozulu@hotmail.com