08 janeiro 2011

Consciência pura

Por isso, também me esforço por ter sempre consciência pura diante de Deus e dos homens. —Atos 24:16

Após Ffyona Campbell tornar-se famosa como a primeira mulher a fazer a volta ao mundo a pé, sua alegria foi curta. Apesar da adulação que recebeu, algo a perturbava. A culpa a atingiu e a levou à beira de um esgotamento nervoso.
O que a incomodava? “Não deveria ser lembrada como a primeira mulher a dar a volta ao mundo a pé”, finalmente admitiu: “Eu trapaceei.” Durante sua caminhada, quebrou as normas do Livro de Recordes Guinness ao fazer uma parte do caminho a bordo de um caminhão. Para aliviar a consciência, chamou seu patrocinador e confessou sua fraude.
Deus tem dado a cada um de nós uma consciência que produz culpa ao cometermos erros. Em Romanos, Paulo descreve nossa consciência como “…mutuamente acusando-se ou defendendo-se…” (2:15). Para o obediente seguidor de Cristo, o cuidado com a consciência é um método importante para manter os limites morais apesar da imperfeição moral. Confessar o pecado, deixá-lo e praticar a restituição deveria ser uma maneira de viver (1 João 1:9; Levítico 6:2-5).
Paulo foi modelo de uma consciência bem cuidada, ao dizer, “…[Eu] me esforço por ter sempre consciência pura diante de Deus e dos homens” (Atos 24:16). Através da confissão e arrependimento, manteve uma conta sempre em dia com Deus. O pecado o incomoda? Siga o exemplo de Paulo. Empenhe-se para ter uma consciência pura.

Se a Palavra de Deus guia sua consciência, permita que sua consciência o guie.